Início Comunicação Notícias Últimas Alunos do Centec criam novos alimentos com pequi
Alunos do Centec criam novos alimentos com pequi | Imprimir |
Qua, 12 de Julho de 2017 10:17

Produtos de Pequi

Além dos sequilhos e licores feitos com pequi, os estudantes desenvolveram alimentos a partir do coco babaçu e do buriti ( André Costa )

 

Crato. Um dos frutos mais tradicionais do Cerrado, o pequi está presente em abundância na região do Cariri, na safra que vai entre os meses de dezembro a abril. Na culinária, o prato mais famoso certamente é o baião de dois com pequi. No entanto um grupo de estudantes do curso técnico em alimentos da Faculdade de Tecnologia Centec - Cariri desenvolveu uma nova iguaria utilizando o fruto do pequizeiro. O biscoito de goma, conhecido como sequilho, ganhou novo sabor e nome. "Criamos o pequilho", pontua a estudante Débora Aquino, 30.

De acordo com o professor do curso, Erlanio Oliveira, além de possibilitar um sabor diferente ao sequilho, os alunos trabalham o reaproveitamento dos resíduos que seriam descartados. "Desenvolvemos uma formulação com a amêndoa de algumas plantas nativas. Além do pequi, utilizamos a macaúba, babaçu e buriti". Ainda segundo Oliveira, o resultado final foi "tão aceito que já estamos pensando em patentear para comercializar".

A docente Regina Célia Gomes explicou que, por ser um produto abundante no Cariri, o curso vislumbrou uma forma de "potencializar a utilização do fruto e gerar mais renda para aqueles que trabalham com o pequi".

Além do sequilho, o projeto desenvolve outros alimentos com o fruto. "Fizemos também o licor de pequi, tudo pensado para aproveitar esse fruto bem típico da nossa região", disse.

Conforme explica a aluna Erica Aureliano, o forte sabor do fruto e o perfume característico não são repassados para o sequilho ou licor, por exemplo, devido ao processo de produção. "Extraímos o óleo e fica o resíduo, que depois é reaproveitado e enriquecido", pontua. "Além de gostosos, os produtos são saudáveis", acrescenta.

Apesar de considerarem o processo de fabricação simples e barato, as alunas reconhecem que chegar até a fórmula final foi um desafio. "O pequi é utilizado geralmente em comidas triviais e, na maioria salgadas, como o baião. Encontrar o ponto certo para fazer o sequilho, um alimento doce, foi um desafio", diz Gabriela Batista, também aluna do curso técnico.

Os produtos estão sendo comercializados no estande do Centec na 66ª Exposição Centro-Nordestina de Animais e Produtos Derivados (ExpoCrato 2017), que segue até o domingo (16). O visitante pode encontrar, além do pequilho e do licor, feitos com o pequi, outras guloseimas, como doces e biscoitos, feitos de coco babaçu e buriti.

Fonte: Diário do Nordeste / Caderno Regional por André Costa