Início Comunicação Notícias Últimas Instituto Centec dialoga com Prefeitura de Jaguaribara para inauguração do CVT
Instituto Centec dialoga com Prefeitura de Jaguaribara para inauguração do CVT
Seg, 01 de Dezembro de 2014 16:00

Há mais de 10 anos a população de Jaguaribara, localizada no Litoral Leste cearense, aguarda o início das atividades do Centro Vocacional Tecnológico (CVT). O prédio foi construído em conjunto com a cidade planejada, em 2001, mas pela demora na compra dos equipamentos – o que aconteceu somente em 2006 - a prefeitura autorizou o funcionamento de uma escola de educação infantil no mesmo espaço.

Em março de 2014, o atual prefeito, Francini Guedes, participou de uma reunião com a diretoria do Instituto Centec para a resolução do impasse. A prefeitura está construindo um novo prédio que acolherá a escola municipal e a sua finalização estava prevista para abril de 2014. A inauguração do CVT estava agendada para junho, após a realização de pequenos reparos e uma nova pintura no prédio.

Com o atraso da agenda, o diretor presidente do Instituto Centec, Ferrer Bezerra, e o coordenador do CVT, Antonio Ximenes, realizaram visita técnica à Jaguaribara na última sexta (28/11) para verificar o andamento da construção da nova estrutura e, na ocasião, reuniram-se novamente com o prefeito da cidade. O novo calendário firmado prevê o início das atividades do CVT para janeiro de 2015.

O secretário de Obras de Jaguaribara, Roberto Colares, acompanhou a visita e se comprometeu a realizar os reparos necessários ao prédio do CVT logo após o início das férias escolares, na segunda quinzena de dezembro. Em entrevista concedida à Rádio FM Jaguaribara 104 FM, o presidente Ferrer destacou que o CVT será um centro de referência em educação tecnológica para suporte às atividades econômicas de toda a região.

“Desde que assumi a direção do Centec, tento a reativação do CVT Jaguaribara e a atual gestão municipal assumiu esse compromisso comigo e com toda a população. Discutimos com o prefeito que a partir do dia 10 de dezembro queremos começar a readaptação do prédio. Podem ficar certos que o Centec fará aqui o já faz por outros 42 municípios”, declarou no programa radiofônico.

Segundo o gestor municipal, a prefeitura está totalmente engajada na implantação da unidade do Centec, pois “o CVT é uma demanda de toda a população e é muito importante para o desenvolvimento de toda a região, fortalecendo a educação profissionalizante e, consequentemente, os mais diversos setores econômicos”, afirmou.

Francini informou que um dos desafios de Jaguaribara é que cerca de 25% da população da cidade é “flutuante”, ou seja, que migra de municípios vizinhos para utilizar os serviços e produtos locais. Sendo assim, a instalação do CVT também beneficiará cidades como Alto Santo, Morada Nova e Jaguaretama, destacou ele.

Segundo André Siqueira, secretário de Desenvolvimento Econômico, Turismo, Aquicultura e Pesca de Jaguaribara, o Centec também poderá apoiar outros projetos da Prefeitura, dentre eles, o Centro de Ovinocaprinocultura, que oferecerá qualificação técnica no setor. A unidade foi construída em parceria com o Conselho Estadual de Educação (CEE). Ele informou ainda que está prevista para dezembro a inauguração de um Centro de Artesanato.

A caravana composta pelo presidente do Centec, coordenador do CVT, prefeito e secretários municipais visitou o espaço destinado ao CVT e o novo espaço da escola municipal. A unidade do Instituto Centec trará oportunidades de qualificação profissional nas áreas vocacionadas à região como aquicultura e pesca, piscicultura, turismo, artesanato, meio ambiente, e também com cursos básicos nas áreas de informática, secretariado, bombeiro hidráulico, eletricista, dentre outros.

 

Piscis cria máquina que automatiza o processamento das vísceras da tilápia

Aproveitando a passagem por Jaguaribara, o presidente do Centec visitou também as instalações da Piscis, uma empresa de base biotecnológica participante da Incubadora Tecnológica do Centec (Intece). André Siqueira e Lívia Barreto, sócios no empreendimento, apresentaram os atuais projetos em andamento.

A Piscis reaproveita as vísceras da tilápia que outrora eram descartadas pelos pescadores no açude Castanhão, poluindo o meio ambiente. Hoje, por meio do processamento destes resíduos, se extrai um óleo rico em ômega 6, que possui diversas aplicações, dentre elas como ração animal e um composto orgânico que serve como adubo.

No atual processo, há uma separação do óleo e dos resíduos sólidos de forma artesanal. Com o financiamento do CNPq, por meio de um projeto conquistado em parceria a Incubadora Tecnológica Centec (Intece), a Piscis inova, pela segunda vez, com a automatização do processo: uma máquina centrifuga os resíduos da tilápia abstraindo em três saídas diferentes um resíduo líquido (água), óleo e composto orgânico, reaproveitando totalmente as vísceras.

André já prevê também a instalação de outro equipamento que utilizará o líquido residual para gerar gás combustível, por meio da biodigestão, para diversos fins na empresa. Outro projeto, que aguarda a liberação dos recursos do Edital Tecnova (uma iniciativa Finep e Secitece) e que conta com a cooperação da Embrapa, viabilizará uma Unidade Móvel de Abate e Beneficiamento da Tilápia, diminuindo a poluição ambiental no açude e melhorando as condições sanitárias desta cultura.

 

Assessoria de Marketing e Comunicação do Instituto Centec